Este blogue tem conteúdo adulto. Quem quiser continuar é risco próprio; quem não quiser ler as parvoíces que aqui estão patentes, só tem uma solução.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Diário frio

Pouco passa das seis horas da madrugada e cá estou eu de volta do meu diário. Acordei às 5, resultado de ter deitado demasiado cedo na noite de domingo. Foi o frio que me fez ir para o leito tão cedo, depois de um banho quentinho para aquecer os ossos. Liguei o rádio despertador, troquei algumas mensagens e entreguei-me ao reino dos sonhos.

Não consigo estar demasiado tempo na cama, pelo que me obriguei a levantar. Se o fizesse mais perto da hora de sair para o trabalho, seria dor de cabeça certa durante o resto do dia. É assim comigo, talvez por falta de motivos para me deixar estar mais tempo ou porque o meu corpo, já tão habituado, me prega essa partida diariamente.

Sentado em frente ao portátil, vestido, com o robe e mantinha pelas pernas, pantufas calçadas, tentando manter o quente que o corpo lança, aqui nesta sala que continua fria, tão fria como na noite de ontem. Já tomei o pequeno almoço, pelo que, pelo menos por dentro, mantenho-me mais quente. Pareço um velho, dirão alguns; outros poderão entender-me melhor.

Nenhuma história me sai das células cinzentas, talvez porque ainda não tenham acordado totalmente. Acho que prefiro o silêncio da noite para poder criar as minhas aventuras, passar para o registo alguns dos meus sonhos, já que outros ficam simplesmente a marinar, à espera de se concretizarem. Esses, os mais pessoais, ficarão apenas na minha memória, podendo quiçá serem lidos por quem tenha alma tão desconcertante como a minha, quem me compreenda e se reveja em mim.

Diz o meu maior crítico que só escrevo disparates, que cabe a mim passar das frases aos momentos, que só eu posso transformar o virtual em realidade. Respeito a sua experiência e tento até aprender com ela, porém por enquanto, deixo-me ficar no meu canto, esperando dias melhores. Que venha uma nova primavera. Entretanto ainda falta acabar o outono e decorrer o frio inverno.

                                   Deitei-me a pensar só em ti
                                   Assim faço a todo o momento
                                   Gostava de te ter sempre aqui
                                   Que me saísses do pensamento

Lembrei desta quadra agora, tantas vezes escrita ao longo dos anos. Vinte já passaram, acho eu. Duas décadas de poesia que contam grande parte da minha história. Os sonhos já referidos que de outra maneira não serão contados.

                                    Nos momentos frios de agora
                                    Que gelam até o coração
                                    Peço que peguem na mão
                                    E me levem estrada fora

                                          Escrevo apenas o que vai na alma
                                          O que nela paira a todo o momento
                                          É assim que este meu pensamento
                                          Me descansa e até acalma

                                   Que dos sonhos já tão pensados
                                   E que ficam nesta memória
                                   Pois já são a breve história
                                   De vinte anos já passados

                                          Que o frio não faça esquecer
                                          Pois o esquecimento é a morte
                                          Não quero para mim essa sorte
                                          Pois vou sempre escrever

De promessas está o Inferno cheio, já diria a avó de outro. A minha tem-se cumprido e desde que eu possa assim continuará, pois as prosas e os versos, sentidos ou inventados, bons, maus ou estragados, com bom efeito ou sem tino, continuarão a definir quem sou e serei .

                                  E antes que escreva sem nexo
                                  Apesar de sentir que já comecei
                                  Vou terminar aqui a escrita
                                  Pois nesta semana mais tempo terei.

Ribatejano, o poeta pateta


8 comentários:

Margarida disse...

ribatejano, o poeta. risca o pateta, ou levas com a cacheira na mioleira (moi, a poeta pateta mesmo :D)

surpreendes, afinal a blogo ainda resiste. :)

Ribatejano disse...

Margarida

Podemos até ser poucos mas andamos aqui, apoiando-nos uns aos outros.

O "pateta" é um mimo para mim próprio, só para rimar. ;)

miguel disse...

de pateta não tem nada
o poeta do Ribatejo
escreve quadras a preceito
de que gosto quando as vejo


ora toma!

Ribatejano disse...

ai ai ai que ainda aqui nasce um "pixel" versão poesia

looooooool

Francisco disse...

Olha que temos poeta, quem diria :D

Continua assim,

O próximo Pixel, vai ser renhido ;)

Ribatejano disse...

Vai?!

João Roque disse...

São quatro da manhã e eu, no meu irregular sono de há muito tempo, eis-me levantado e a passar o tempo por aqui, pela blogosfera e não só, e deparo-me com "isto"...
Não sei quem será o teu maior crítico, mas sei que na actualidade o teu blog é das coisas verdadeiramente interessantes que eu encontro na blogosfera.
E agora, com licença, que vou recolher à cama de novo, na minha regular irregularidade nocturna.

Ribatejano disse...

João Roque

"Isto" é apenas uma tentativa de alegrar quem por aqui passa.

Pelo menos posso confirmar que o meu maior crítico gostou.

Às vezes gosto de irregularidades, obrigam a puxar pelas células cinzentas.

Abraçom