Este blogue tem conteúdo adulto. Quem quiser continuar é risco próprio; quem não quiser ler as parvoíces que aqui estão patentes, só tem uma solução.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

O conto da Margarida

O grupo reunia-se invariavelmente todas as noites. Um grupo de membros heterogéneos que preenchiam cada um dos lugares disponíveis. Não havia liderança. Os mais velhos davam a palavra aos mais jovens embora se notasse um respeito por parte dos últimos pelos que tinham mais experiência de vida.

O grupo era dono da noite, todo o espaço circundante lhes pertencia. O barulho provocava os cães e os outros moradores, os que viam na noite a oportunidade de descansarem para um novo dia de trabalho. Várias eram as vezes em que baldes de água, latas, sapatos velhos, voavam em direcção aos membros, que fugiam e gargalhavam pela falta de pontaria.

Não eram vagabundos. Assim que surgiam os primeiros raios de sol, retornavam a casa. Deitavam-se de papos para o ar, refastelados ao sol, na protecção das intempéries. Comiam e bebiam e à noite voltava aquela lufa-lufa que tinham já vivido na noite anterior.

Certa noite algo estava diferente, o número de membros diminuiu. Os mais velhos deram pela falta de duas mais novitas, que normalmente o acompanhavam, quase coladas. As duas em questão eram bem diferentes do resto do grupo, queriam mais do que os outros na realidade lhes podiam dar. Tinham sede de saber, conhecer o que se passava além das fronteiras quase rígidas, impostas pelas gerações anteriores. Afinal o mundo era tão grande e custava-lhes ficar limitadas àquele território.

As noites passaram e não apareciam. Um dos mais velhos, curioso, dirigiu-se então à sua casa, já que viviam juntas. Queria uma explicação, não queria acreditar que aquelas duas se tinham fartado do grupo. Estariam doentes?

Foi então que descobriu a verdade. As duas, ávidas de saber, passavam as noites em casa acompanhando aquela que lhes podia transmitir as coisas que o resto do mundo tem. As prateleiras repletas de livros, evidenciavam as longas noites de leitura e aprendizagem que aconteciam naquele espaço. O ancião do grupo entendeu então qual a razão para a ausência das duas.

Perceberam que estavam a ser observadas do lado de fora da janela. Uma delas foi então ao exterior e falou com o vulto. Explicou-lhe que a ausência devia-se ao facto da sua dona estar sozinha em casa e precisar de companhia. Em contrapartida os livros davam-lhes conhecimentos, daqueles que o grupo não conseguia satisfazer.

Tal como prometeram ao ancião algumas noites antes, as gatitas retornaram ao grupo algumas noites por semana. Passaram elas a ser as mais entendidas em diversos assuntos. Não se deixavam porém levar pelo conhecimento. Tinham novas histórias para contar e acima de tudo respeitavam os outros membros do grupo.

Margarida sentia-se bem junto dos seus livros e das adoradas gatas, que apesar de passarem algumas noites deitadas junto a ela, pareciam absorver todas as palavras que lia, evidenciado pelos movimentos constantes das orelhas das duas aprendizas. Livros e companhia das gatas… afinal já pouco faltava…



8 comentários:

Margarida disse...

excelente :)
um pormenor ali a mais, saberás qual? :)

miguel disse...

muito bem, gostei bastante. estás imparável, e ainda bem :)

Ribatejano disse...

Margarida

Pormenores nunca estão a mais.

Ribatejano disse...

miguel

Tentei apenas corresponder ao que recebi. Decerto que esta foi uma das raras vezes que o consigo fazer.

Francisco disse...

Muito bom,

Podes escrever um meu para a Margarida, ;)

Abraços

Ribatejano disse...

Francisco

Acredito que és bem capaz de escrever um sozinho, sem ajuda de palermas.

João Roque disse...

A Margarida já estava a merecer um conto.
E claro, gatos e livros eram condimentos essenciais.

Ribatejano disse...

João

Acho que fui um pouco presunçoso quando achei que conseguiria de alguma forma dar uma resposta à Margarida. Na realidade foi um texto muito simples e no entanto tão cheio de significado.