Este blogue tem conteúdo adulto. Quem quiser continuar é risco próprio; quem não quiser ler as parvoíces que aqui estão patentes, só tem uma solução.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Longe

Habituei-me a ver-te ao longe. Talvez receando o nosso encontro, talvez achando que não combinamos. Minto a mim próprio. E ao longe contínuo a ver os outros irem ao teu encontro, envolvendo-se em ti e tu a corresponderes. Volto uma vez mais para trás, escondendo-me.

Sinto saudades tuas quando permaneço longe. Nesses dias, sinto uma vontade enorme de perder a vergonha e ir ao teu encontro. Sentir-te nos meus braços e o teu cheiro peculiar. E que me sintas de igual modo.

Uma vez mais não tive coragem e fiquei de fora, a ver os outros. Imagino quantos gostarão de ti e invejo-os profundamente. Principalmente aqueles que não te receiam, mesmo nos dias em que te encontras mal disposto.

Não sei viver sem ti e no entanto mal nos conhecemos. Mas virá o dia, que ultrapassarei todos os meus receios e vergonhas. E talvez possamos, finalmente, ser felizes.

Adoro-te mar.


7 comentários:

Francisco disse...

Também gosto :)

Horatius disse...

O mar... um local onde dá vontade estar com este calor todo,sobretudo no "nosso" Ribatejo, onde o calor é mais que muito...

Ribatejano disse...

No Ribatejo não há mar. lol

João Roque disse...

Passas a vida a mentir a ti próprio.

Ribatejano disse...

Não João, passo é muito tempo a escrever.

Horatius disse...

Referia-me à vontade de estar junto ao mar. No Ribatejo claro que não há mar (até quase não há Tejo :(

Ribatejano disse...

lol