Este blogue tem conteúdo adulto. Quem quiser continuar é risco próprio; quem não quiser ler as parvoíces que aqui estão patentes, só tem uma solução.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Amanhã

Para mim será mais um banal dia de trabalho. Será mais um dia que começará com um frio de rachar, em que o meu carro custará a pegar. Amanhã andarei normalmente pela rua a cumprir as minhas funções profissionais. Almoçarei como habitualmente no mesmo restaurante com os colegas. Sairei à tarde com o sol talvez ainda quente e virei para casa, onde o meu companheiro de quatro patas me espera. Alguns pensarão que será um dia triste para mim. Eu pensarei que será apenas mais um dia da minha vida.

Amanhã andará a estupidez no ar. Comemora-se o dia de um santo que a maioria das pessoas não sabe sequer quem foi. E para se lembrarem, transformaram um dia santo em um dia especial para muita gente. Ainda não percebi onde está a especialidade. Afinal todos os dias não são bons para amar?! As pessoas só se lembram dos companheiros a cada dia 14 de Fevereiro?! Nos restantes dias andam de mãos dadas pelas ruas e beijam-se porquê? Porque é um costume?

Não entendo certas comemorações. Só há um dia de Natal. Só há um domingo de Páscoa. Só há um dia 1 de Janeiro. Só se comemora a implantação da república portuguesa uma ver durante o ano (este ano será comemorada noutro dia). Afinal por que raios é que as pessoas só se lembram do dia dos namorados uma vez por ano? E nos outros são o quê?

Vivo 365 dias a cada ano (este ano viverei mais um) a pensar que poderia ter alguém a meu lado. Em cada um desses dias penso no que vivi e no que poderia ter vivido. Penso que poderia partilhar as minhas aventuras diárias com alguém que me compreendesse e que o fizesse também comigo. Não penso em mim num único dia do ano, pois se o fizesse, passaria a ser uma máquina que precisa de manutenção anual em vez de ser uma pessoa.

Abaixo os dias disto, os dias daquilo, os dias internacionais, intercontinentais e tudo o mais. Lembre-mo-nos de cada um de nós todos os dias. Partilhemos com o próximo as nossas ânsias, necessidades, desesperos, alegrias. Troquemos momentos de felicidade por companhia sincera. E talvez assim nos lembremos que estamos vivos.

10 comentários:

MartaP. disse...

clap clap clap! de pé!

é só mais um dia... sozinhos mas bem!

Ribatejano disse...

Claro Marta, a vida são muitos dias.

Abraço

Horatius disse...

Concordo contigo, apesar de ter namorado.

Uma das coisas, quando começamos a namorar, que lhe disse foi "olha, eu não gosto do dia dos namorados, por isso não te passe pela cabeça tentar fazer o que quer que seja".

E amanhã, possivelmente, nem vamos estar juntos. Nem nos esforçamos por alterar as nossas rotinas para estarmos juntos especificamente amanhã.

Ribatejano disse...

Horatius, és cá dos meus. O amor é mais que uma data. Talvez por pensar assim... lol

Francisco disse...

Bom, queres ir jantar amanhã?

:)

Abraço

Cesinha disse...

Uau... tive que dar uma parada pra ver se eu estava no blog certo! Simplesmente lindo o seu texto... você arrasou! (se fala assim por aí, quando alguem diz coisas na medida exata?)

Beijos

Ribatejano disse...

Francisco, espero que o convite se estenda a outro dia qualquer, pois hoje vou estar entretido a ler as mensagens bobas em alguns blogues. lol

Ribatejano disse...

Cesinha, é claro que estás no blogue correcto. Não é para me vangloriar mas gosto de escrever o mais correcto possível. A nossa língua portuguesa é maravilhosa, pelo que me calha o dever de a levar o mais longe possível.

Obrigado pelo elogio. Cada elogio é um pedido para continuar pela blogosfera.

Abraço

pinguim disse...

Tens razão, o mundo consumista viu-se na "obrigação" de criar estes dias "festivos" para arranjar mais uns tostões...
A mim, apenas me custou ainda mais, pois senti o Déjan ainda mais longe...

Ribatejano disse...

pinguim... ainda por cima telefonei quando estavas a falar com ele. Não me perdoo.

:[