Este blogue tem conteúdo adulto. Quem quiser continuar é risco próprio; quem não quiser ler as parvoíces que aqui estão patentes, só tem uma solução.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Certezas

Quando finalmente abri os olhos percebi a burrada que tinha acabado de fazer. Foram anos a tentar conquistar uma amizade, que se tornou num passado em apenas um fechar de olhos. Tentei corrigir os erros cometidos mas foi tarde demais. Foste embora e já não fazes sequer a intenção de voltar. Já de nada serve desculpar-me, dizer que não estava em mim, que não consigo percorrer os dias sem te sentir desse lado.

Afinal parece que a nossa amizade não foi construída sobre bons alicerces, facilmente se desmoronou logo ao primeiro sopro do vento. Não houve amarras suficientes para impedir uma queda acentuada no sentido do desentendimento. Tudo ficou para trás. E para a frente apenas a incerteza é certa.


5 comentários:

João Roque disse...

A única coisa positiva é o reconhecimento do erro. Mas é coisa pouca, pois que eu saiba, tu de vez em quando não pensas bem no que dizes, e sai, como tu próprio referes, "burrada".
Já é tempo de parar para pensar antes de agir ou de te expressares e digo isto para teu bem.

Francisco disse...

Às vezes o orgulho tem disso :(

Ribatejano disse...

Que biolência a vossa...

Já um tipo não pode fazer um ensaio literário?

Rúben disse...

Não penses mais no assunto. Se não sobreviveu é porque assim estava escrito. :(

N a m o r a d o disse...

:s