Este blogue tem conteúdo adulto. Quem quiser continuar é risco próprio; quem não quiser ler as parvoíces que aqui estão patentes, só tem uma solução.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Dedicatória aos meus avós

Decidi homenagear os meus avós. Foram das pessoas mais importantes da minha vida. Conheci três biológicos e dois por afinidade. Perdi-os pois é essa a natureza, mas não há semana em que não me lembre deles.

Dedico este fado do saudoso Alfredo Marceneiro a todos os avós deste mundo.


É Natal...

5 comentários:

um coelho disse...

Infelizmente os meus também já partiram, mas tiveram uma importância decisiva no meu crescimento. Aprendi a ler aos 4 anos, com a minha avó, que ralhava quando escrevia alguma letra abaixo da linha ou torta. Se ela visse hoje a minha caligrafia...

Francisco disse...

Os avós são sempre os avós :)

Gay Incomum disse...

Avós, nossos segundos pais.
Não conheci os meus paternos, mas os maternos foram minha estrutura ao lado da minha mãe.
Meu avô já se foi, mas minha avó, graças a Deus, ainda está entre nós, e a encho de beijos todos os dias e agradeço pela sua existência ao meu lado.

Abração!!

Ribatejano disse...

Como escrevi já não tenho mas lembro-me deles constantemente. Aproveitem e aprendam tudo o que os vossos avós vos ensinam, pois eles, muito mais que os vossos pais, têm a experiência necessária para melhor vos formar para a vida.

pinguim disse...

Só conheci três, pois a minha Avó materna, morreu quando do parto da minha Mãe.
Dos três que conheci, confesso que um não gostei nada, outro estive sempre muito longe dele e a outra Avó, a única que conheci, essa sim, era uma Santa.